terça-feira, 24 de junho de 2008

Sonho Verdade


O sonho e a verdade. Imagino um quarto branco, com duas paredes escritas à carvão. Numa: o sonho. Noutra: a verdade. E eu fico horas sentada, fitando o branco e os riscos de carvão. Como quem aprendeu a ler com aquelas letras. O encanto de saber que letras juntas formam palavras, que formam idéias, que formam conceitos, que formam dúvidas. Pois desde sempre foi me dada a escolha e portanto a dúvida. Desde óvulo foi me dada escolha de ser fecundado ou não. Desde sempre o humano de que fui feita me veio com uma bandeja de escolhas. O sonho e a verdade são só as palavras que aprendi agora, talvez as primeiras. E sentada no chão do quarto branco ainda acredito que devo escolher.
O meu corpo se movimenta na ansiedade de ser alguma coisa que sabe o que vê. O meu sangue corre, o oxigênio transporta, tudo na busca da palavra para escolher. E então, por alguns minutos, desejo não ser humana, desejo me desumanizar de alegria, de ser neutra para não ter que escolher. Mas os rabiscos foram feitos com força de mãos poderosas. O carvão entrou na porosidade da parede para dizer alguma coisa. Penetrou o branco para dar escolha. E por ser humana acabei ali, no quarto branco de riscos definitivos na parede. A morte também é escolha. Mas o meu humano não escolhe morrer para não ter que escolher. Porque morrer é escolha.
O neutro não é escolha. O neutro é preso dentro de si e em si, basta! O neutro não se movimenta. O neutro não escolhe. O neutro é um inferno que às vezes parece paz. O neutro é o fim do que há pouco era pura decisão. E decisão arde. Fogo de transformação. Faz virar pó e a daí mais escolhas de como ocupar o espaço que se destruiu em fogo. Arder não é neutro. Neutro é falta de sentir. Neutro então é paz de não saber. Mas as palavras ali gritam: SONHO OU VERDADE.
E já que humana, desejo ser duas, para escolher as duas. E como humana sonho, em ser duas. E como humana sonho que a escolha pode ficar para amanhã, quando talvez o quarto acorde cheio de cores e eu possa escolher por outros padrões. Se sonho tiver uma cor e verdade outra, então escolho pela cor. Mas não! Ser humano que já escolheu o sonho das cores acaba de desistir da verdade. Mas foi só uma suposição. Não sonhei ainda. Não escolhi.
Sonho. A capacidade de acordada imaginar o que está longe de mim. A, muitas vezes, covardia de imaginar o que não posso. E sonho dormindo, aquele que o poeta disse ser o mais próximo contato comigo mesma, o que então seria a verdade. Pronto, então não preciso escolher. Sonho e verdade são a mesma coisa.

17 comentários:

alua.estrelas disse...

Ah minha amiga... Fazer escolhas, ainda mais quando as opções são: sono e verdade. Difícil, não?
Mas como você mesma diz: eles são uma coisa só no final...Sem escolhas, apenas vivências e aprendizagens. Alegrias, tristezas e bagagens.
Como sempre, tudo muito lindo.
Beijos carinhosos.

Janaina Fainer disse...

oi querida, esse seu blog é o melhor

beijos mil

Mariah disse...

lembro que a primeira vez que entendi o poder da minha decisão, eu tive medo.
eu tive medo de tomar a decisão errada, eu tive medo de não tomar a decisão.
a responsabilidade do poder...
beijos
mariah

Raíssa B disse...

Oi, passei por seu blog achei muito interessante seu post.
Acho que uso muito esta capacidade de sonhar acordada e imaginar oq não esta nas minhas mãos, mas de repende meu radio relógio toca e me vejo no mundo real.

Bjos Ráh

F. Reoli disse...

Até mesmo porque geralmente, estamos de olhos abertos, ao sonhar... você é sempre apaixonante em suas palavras...adoro... beijos

F. Reoli disse...

P.S. Ah, queria agradecer pelo texto que mandou na minha exposição fotográfica e pedir um grande favor: se possivel, postar um link indicando a exposição, pois pode ser que surja o interesse da SP Trans de transforma-la numa exposição física mesmo e conto com a galera pra dar uma bombada na audiência. O link é www.coletivokaos.zip.net
Agradeço se indicar para os amigos
Beijos

Paloma disse...

Tantas vezes eu tive medo de encontrar a minha voz concretizando uma imagem mental e que essa voz não fosse jamais capaz de representar o tamanho e a força do que penso.
No entanto, ultimamente, eu digo, tento não esquecer que o mundo reverbera.
Lindo texto.
Eu fico também sempre sem o OU. Sonho e verdade.
Beijo.

Carolina Sperb disse...

sonho e verdade são a mesma coisa.
fantástico.
escolhas... temos tantas por fazer, fazemos tantas a todo momento. ora são feitas por impulso, mas com toda certeza do mundo, ora são pensadas, (re)pensadas... e acabam se tornando a coisa mais difícil de nossas vidas... porém, quando escolho procuro não ficar olhando para trás; sigo meu destino, meu caminho com o que escolhi... e se quis arder a ser neutra, é porque sinto e não finjo viver.

beijos, minha querida
saudades

cuide-se

Vivian disse...

...o ser humano é frágil demais para não viver de sonhos.
sem os quais a dura realidade
o prostraria em segundos.
graças à Deus, trazemos no nascimento o direito de escolha,
decisões, e atitudes, mesmo que muitas vezes tropecemos nas próprias pernas...as "telas" "paredes", somos nós que pintamos com nossos pensamentos e desejos...decisões
tomadas no calor da emoção, sempre geram bem, ou mal estar, sem que possamos imputar culpas a outrem, que não seja nosso próprio livre arbítrio...não sei se me fiz entender...
de qualquer forma...te amo muito....muahhhhhhh, Camilla linda!

Dauri Batisti disse...

Sonho e verdade. Que pensamentos bonitos você foi colocando neste texto. Fios dourados a dizer nossas verdades: somos sonhos.

Passei aqui para agradecer a visita que você fez ao ESSAPALAVRA. Não sei como você lá chegou, mas foi um prazer encontrar seu comentário.

Um beijo.

Bruno disse...

Sabe aquele tipo de post que depois que você lê você nem sabe o que comentar porque o post em si já diz tudo, inclusive o que pode ou não ser comentado? É um tipo raro de post... mas acabei de ler um. Gostei muito!
Beijo!

A Bruxa disse...

Outro dia ouvi alguém dizer que ser neutro é ficar em cima do muro. E uma vez que somos feitos de escolhas, nada mais certo sermos feitos de sonhos e verdades.

Obrigada pela visita - volte sempre! ;)

Daniel disse...

A vida é uma conjução de escolhas, inclusive, a verdade. Valeu pela visita ao meu blog, fique a vontade para voltar lá sempre que quiser, pois eu voltareio aqui mais vezes. Bjus e bom final de semana.

http://so-pensando.blogspot.com

João Neto disse...

Escolhas. Sempre elas. Elas e as decisões. Elas, as decisões e o impacto delas em nossas vidas. Li, ou ouvi, não sei mais ao certo, que não escolher já é uma escolha. Então não nos restam alternativas, a não ser escolher e tomar decisões. Mas que é ruim, isso é...

Assim que sou disse...

Isso! Fui lendo teu texto e angustiada em te dizer o que pensava sobre tudo aquilo que via nas suas entrelinhas. Mas, no final, você mesmo concluiu. Sonho e verdade são uma coisa só porque é vivendo, e tropeçando, e pintando e apagando as várias paredes brancas de nossa vida que descobrimos o quanto há de sonho nas verdades e o quanto há de verdade nos sonhos. Mesmos os mais delirantes. Mas o melhor mesmo é quando entendemos e aceitamos que verdades são um instante tênue. Elas mudam, se alteram e transformam ao sabor do que vemos e sonhamos. Ou sonhamos e vemos. Sei lá. Mas não cansa, não. A gente é sempre meio fênix e há algo de revigorante em viver. Apesar dos percalços.

bjs. Veronica

Alice disse...

Por isso durmo tanto. Sonho mais que criança e minha verdade é a verdade do travesseiro. E vc tá numa fase de escrever muito. Fico feliz... sempre.

Letícia

Soraia disse...

Querida Camila...a cad dia que passa admiro ainda mais a sua inteligência..a sutileza com que as tuas palavras ganham mundos...e o poder que elas adquirem quando leio...você tem o dom da magia...mágica das palavras!Perfeito....adoro te ler..sempre!Beijo