domingo, 13 de julho de 2008

Histórias no meio


Dizem que é assim, simples! Eu bem que me esforço. Acordo cedo. Passo cores no rosto, acarinho meus cabelos, sorrio para uma de mim no espelho. Escolho com cuidado o que cobrir meu corpo. É meu corpo, afinal. Alimento-me de verdes e brancos. Tenho todas as cores. As cores e o desespero. Tenho em mim a dor de não saber o que vem a seguir. E não me digam que todos têm essa dor. É em mim que corre quente o sangue amargo. Não quero explicações. Menos peço opiniões.


As histórias estão todas no meio. Não tenho tempo de acabar o livro de devolvê-lo à biblioteca. Estou sem carro, sem dinheiro. E as histórias estão no meio. Dia desses comecei a ouvir música clássica. Uma cor que estava tão perto e eu não notara. São musicas longas, de histórias que já chegaram ao fim. E a paz de histórias que têm fim me acalma. Minhas histórias ainda estão no meio. No meio! Você está entendendo? NO MEIO! Horrível estar no meio quando o tempo já passou. Eu deveria estar no meio há um tempo inteiro atrás. Minha vista anda embaçada. Histórias que estão no meio.


Minha mão escorrega todas canetas, o cigarro me enjoa e a luz nunca está certa. Fadas madrinhas, magos sedutores, gnomos mentirosos, deuses adúlteros, todos já me ligaram perguntando por minhas histórias. Agora pus o telefone no mudo. Não deixo mais tocar. Apago as mensagens sem ouvi-las. Vejo um homem quase loiro na rua e tenho muita vontade de chorar. Sei que das 9 as 18, meus dentes vão ranger de sorrisos. E que das 18 as 9 vão ranger tentando dormir.


E no fundo, no fundo queria que alguém me desse a mão.

Foto de CinnamonRed- deviantart

18 comentários:

Dani disse...

Camilla, Camilla... Obrigada pela visita. Será sempre bem-vinda.

Vivian disse...

...no meio do caminho tinha uma pedra...no meio da novela, a campainha soou...no meio do beijo, a criança chorou...no meio da conversa, o telefone tocou...no meio da leitura, a luz apagou...no meio do trajeto, a gasolina acabou...no meio do sonho, o relógio despertou...no meio, do meio, no meio de tudo estamos nós, corda esticada a nos equilibrar...platéia ansiosa pra ver onde vai dar...amo você, menina das letras mágicas! muahhhhhhhhh

Malu disse...

E EU ESTOU AQUI PARA LHE DAR AS MÃOS. Venha me contar dos seus dias, das suas dores,dos seus amores.De tudo que voc~e tiver a fim de me contar. Sentadinha aqui te olhando. Beijinhos

O Equilibrador de Pratos disse...

Excelente blog. E com conteúdo, o que é mais importante. Virarei assíduo aqui, ok? Aliás, quem sabe tu dá uma conferida no nosso também? Acho que pode rolar uma interação legal entre nossos blogs. (me procura lá por "Jurandir" - pseudônimo, é claro)

- O Equilibrador de Pratos -

O que os homens pensam?
Relacionamentos. Teorias. Discussões. Comentários. Mulheres. Sexo. E pratos equilibrados em varinhas. Bem-vindo à vida real.

3 amigos (B. Sacamano, Hannibal e Jurandir, pseudônimos, claro) que resolveram fazer um blog tratando de assuntos que abordam o "Universo Homem + Mulher = Relacionamentos". Retrata todos assuntos citados acima, com textos bem escritos, humorados, ácidos, sarcásticos, irônicos e, sinceros ao extremo. Vale dar uma conferida. E que atire a primeira pedra quem não se identificar com algo.

Blog: www.oequilibradordepratos.blogspot.com
E-mail: oequilibradordepratos@hotmail.com
MSN: oequilibradordepratos@hotmail.com

PS: por que o nome "O Equilibrador de Pratos"? Entre no blog e descubra. Será um "soco no rim". No bom sentido, é claro.

Carolina Sperb disse...

no meio. é tão difícil quando as coisas estão no meio. principalmente porque quando estão exatamente nesse ponto elas têm muitas chances de voltarem. meio de tudo é medo. meio medo. uma letra que muda pra enganar os desavisados. pra enaganar os tolos. pra enganar que quer ser enganado. não deixe no meio. deixe o medo ir e as coisas sairão do meio. em todos os casos, darei minha mão à você. porque de ti, gosto muito. não meio.

beijos, querida
bom ler você de novo!

Thiago disse...

de onde vem a ang�stia que corre no seu sangue ? digo que , seja o que for, vim resolver a quest�o, trago-lhe o que falta ent�o:a minha m�o. mas n�o � qualquer m�o. minha m�o � uma m�o silenciosa. ela apenas escuta. faz seu cora�o dividir o que te aflinge, e depois aperta, at� voc� dormir. e o dia seguinte � sempre melhor... ^_^
bjos

Jaque Lima disse...

Me pego pensando se não é bom olhar tudo de cima do muro. ficar ali sentado. nem voltar pra trás. nem andar pra frente. estar morno. nem quente. nem frio. não ter decisões. alguns receios. um meio de coragem. outro meio de medo. e tudo parece equilibrio. a linha perfeita. o modo certo. mas aí penso que nada pode ser perfeito. nada pode ser sempre certo. nada pode ser só uma cor. tenho várias cores. foi você quem me disse!
venha...ande... me dê a mão, e vamos praticar as imperfeições mais sinceras...

grande beijo!

Friendlyone disse...

Ô gente boa! Acho que sei muito bem como é esse meio...

Beijão!

F. S. Júnior disse...

gostei disto aqui:
"Horrível estar no meio quando o tempo já passou."
esta é uma sensação meio desconfortável e é terrível quando se percebe assim, quando se encontra assim... no fundo, no fundo, não dispensaria o estender de mãos agora, mas há tempo pra tudo... eu sei que há... ao menos no meu caso...

gostei do que vc escreveu lá no blog, fiquei a pensar e pensar... é uma verdade, a pura verdade...

beijo

Maria B. disse...

Li o seu texto - e mais alguns outros - e s� posso dizer - caralho! Adorei, me reconheci muito neles, me soam como algo que eu gostaria de ter escrito. Foda!
um beijo

Verônica disse...

Textos são para mim eternas fontes de inspiração. Dos sentimentos mais nobres aos mais sórdidos. Porque somos tudo isso mesmo: nobreza e sordidez. Nem sempre estar no meio é ruim. Sou, pessoalmente, mar de tormenta e calmaria. Às vezes, estar no meio me tranquiliza, acalma, me faz refletir equilibradamente sobre a eterna montanha russa que escolho - diante de tantas outras atrações menos radicais. O período da indiferença pode ser fértil. Você só não pode é se sentir só. E nessas horas - minha virtual amiga - sou como você: só queria a mão que me ajudasse a atravessar a rua. E que fosse firme, forte, compreensiva, condescendente e próxima. Se existem os tempos bíblicos de semear, adubar e colher, certamente é preciso compreender os tempos de terra infértil. Que passam....claro que passam.

Grande beijo. Veronica

A Senhora disse...

Quando a gente está no meio do caminho, também está no meio do caminho para se alcançar o objetivo. É difícil, claro, mas está a meio caminho... Força! ;)

Narradora disse...

Esse neg�cio de meio de caminho... a amplifica�o do "tic-tac" do rel�gio... Na minha experi�ncia s� faltou aquele zoom esquisito que eles d�o bem no rosto do ator principal (sabe qual?)
Para n�o alcan�ar esse n�vel, resolvi abafar o rel�gio com m�sica, e j� que estava no meio do caminho mesmo, fiz fogueira (t� um frio aqui) e sentei pra ver a paisagem, n�o � que � bonito.
Se quiser aparecer, te fa�o um caf�.
Bjs

F. Reoli disse...

Com a mão estendida, toco tuas palavras. Vejo a beleza dos verdes e brancos...e te deixo meu beijo!

Narradora disse...

Camilla,
Te indiquei pro pr�mio Blog 5 estrelas. http://www.gotasdiariasdesentimento.blogpost.com/
bjs

Thiago disse...

quando abro esse blog e ouço essa musica, eu sinto uma paz tão melancólica... é a coisa mais gostosa que já senti. parece, que não tenho nada pela frente. só um mar cheio de pequenas ondas, e um barco amarrado na ponta do cais. me lembra tarde de domingo. E essa mulher canta muito bem.

Germano disse...

Estendo a mão com força.
E te ajudo a continuar com suas histórias pelo meio, porque terminar é sempre sinal de morte, ou quase sempre.

Melhor a incompletude.
Melhor a falta, porque nos empurra.

Lendo-te com gosto.
Germano

VaneideDelmiro disse...

Estendo-te a minha, a meio palmo da sua...