segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Esperança


Um passo depois do outro e estou sempre atrás de você. Mesmo que você seja eu mesma, mesmo que nada faça sentido. Um passo depois do outro e eu crio histórias para fingir que minha realidade não existe e leio livros que me provam que limites são besteiras. Uma lágrima que cai sozinha e tenho até pensamentos românticos, desses de baldes de cores. Pensamentos coloridos. Daí eu choro em preto e branco e assim termina o filme.
Mas engulo toda a fumaça na esperança de preencher o vazio de viver e viver é cheio de fazeres. Eu é que estou do lado errado da rua, preciso atravessar mais ruas e assistir mais televisão. Preciso comprar uma agenda e ficar feliz em vê-la lotada. Preciso dar importância ao dinheiro e às cores das minhas roupas, preciso comprar remédios preventivos, creme anti-rugas, preciso me prevenir. Preciso fazer uma poupança, preciso fazer o seguro do carro, preciso ter um carro. Preciso comprar um celular, pagar previdência, fumar menos, sorrir mais, aceitar mais convites, colocar mais a cara na rua. Preciso atravessar a rua atrás de você.
E a dor de continuar me deixa com ódio e ódio é permitido sim. Não me digam que não, por favor, pelo menos hoje não! Ódio pode porque me machuquei, ódio pode porque o dia é longo e a noite é curta. Ódio pode porque o mar está longe e todos os personagens que crio, morrem. Eu os mato. Ódio pode porque amor que confesso me dizem ilegal. Ódio pode. Mas amor também pode, porque eu digo que pode. Porque amo quem não posso, porque amo árvore que caiu. Amor pode porque ainda segura as letras juntas. Amor pode, mas não hoje. Sou dessas também, contra o ódio. Mas ódio existe e não há transformação que o evite, por isso, viva o ódio também. Assim como viva o amor. O amor do sonho da vida que ainda não é minha. E só nessa palavrinha “ainda” vi esperança no meu texto, por isso eu paro.



Foto: sabotazystka - deviant

22 comentários:

Vivian disse...

...quantos conflitos enlatados
num coração que pulsa em vermelho
VIDA!!

muahhhhhhhhhhhhhhh

te amo...

tossan disse...

Texto incrível! Saboroso e sábio. Bj

Jacinta Dantas disse...

É moça,
nós e nossas contradições dos nós que fazemos no Eu. Que bom! na contradição, também, a gente se encontra.
Beijo

Anônimo disse...

gritar pode, brigar pode, chutar a lata pode, quase tudo pode, só não pode deixar o desânimo te vencer.Beijos escritora e poetisa linda do meu coração.

alice disse...

Ódio pode. Já se foi a repressão, eu acho. Amor ilegal é todo amor que é grande. Amor pequeno de frase curta, é legal. Mas não estamos aqui para o que é modesto.

E ouço Pearl Jam.
Perfect text.

Daniel disse...

E por que não sentir o ódio? Todos os sentimentos humanos devem ser liberados e vividos. Não podemos nos furtar de sentir e viver aquilo que queremos. Magnífico texto, aliás, como sempre! Bjus e boa semana.

http://so-pensando.blogspot.com

Germano Xavier disse...

Melhor parar sim, Tebet, porque ontem mesmo tive uma conversa com a mulher da minha vida sobre necessidades e sempre entramos em choque quando um precisa de certas coisas e o outro de certas coisas pensa diferente. E a ponta de esperança mastiga todo o teor do texto e, querendo ou não, o colore - o que nem sempre é bom.

Mas temos facas na cozinha e um peito para ser dilacerado. É só pensar nessa possibilidade. Somos possíveis.

Deixo um carinho sincero.
Continuemos...

Aquela 'par', que virou ímpar. disse...

amor pode, mas hoje não!
eu sempre dizia isso, hoje:
amor pode, preciso, pra ontem - AINDA ...
haha
nha.

A Senhora disse...

O amor que não posso... O ódio que posso agora. É o que nos faz meio perdidas e ir atravessar a rua atrás do outro.

Jaque Lima disse...

Tudo pode. porque você quer. e isso é o suficiente. afinal essa coisa de contrariedades. não tem graça. não deveria ter nem entonação. o mundo é seu. e em partes de outros. que pertecencem a você. e em outras partes. a todos. ou seja. você pode. porque todo mundo pode. nem que seja um pouquinho.

Beijo Linda!

alua.estrelas disse...

E que bom que ainda existe esperança, mesmo em momentos que a gente se sente assim... perdida na raiva, no ódio, na gana de dar o troco e desacreditada... E é com a esperança que tudo volta a ficar colorido. Assim como deve ser.

Mais uma vez vc arrebentou. Adorei!
Beijos.

Assim que sou disse...

Bom....dentro das várias reflexões que faço quando te leio, uma ainda não consegui ver contestada: Camila, você pode!!!! E poder é muito mais e além do querer. É sonhar a vida e viver o sonho. Andamos atrás de nós mesmos quando vamos lá no fundo para respirar a esperança. Isso é alimento, é razão, é certeza, é poder. Como equilibrar essa mistura tão alquímica sem amor e sem ódio.
Os dois sentimentos estão permanentemente espelhados em nossos olhos e exercê-los, pendendo mais para um ou para o outro, é também escolha, caminho, ferramenta e,mais uma vez, poder.
E você,Camila, pode!!! Sei disso, mesmo longe,mesmo sem te conhecer.
Mas há revelação maior do que desenhamos em letras( tentei terminar com o ponto de interrogação, mas no teclado desse laptop novo não sou capaz de encontrar tecla tão prosaica)

Beijos. Verônica
( sim, só por curiosidade te procurei no orkut para te ver em imagem. Já vi!)

Fabrício Persan disse...

se alguem é perfeito aqui levante a mão... !
Bom... como naum vi mãos levantadas... não vejo coisa mais normal em todos nós, do que amar e odiar. NecessáriOs. Caminhos Distintos, porém, só um desses prevalecerá.
A palavrinha da esperança. rs
bjO honey.

Ricardo Jung disse...

a esperança é a última que morre, mas é a primeira a tentar te matar

Ricardo Jung disse...

depois de ler esse texto e constatar que eu só preciso gravar um cd demo eu vejo o quanto reduzi minha vida

ah... tanto faz, há pouco tempo nem isso havia... então se eu tiver uma esperança ainda estou no lucro

Narradora disse...

Amor e ódio, sempre pensei em termos absolutos.
Gostar, ter raiva, pra isso tem gradação - um gostar pequeno, uma raiva grande... mas não acho que exista meio amor, mesmo quando se trata de árvore caída.
Quanto à esperança, Adriana Falcão diz que o ainda é a vontade no meio do caminho. Deve ser essa vontade que decide continuar que nos salva...
Bjs

Dauri Batisti disse...

De fato este "ainda" é muito legal. Ainda bem que podemos usar um "ainda".

Beijo.

Jacinta Dantas disse...

Já coloquei meu comentário aqui, mas voltei só para dizer que adorei a imagem do cabeçalho. Iluminadora. Show.
Beijos

Diego disse...

Há dias em que o ódio é permitido.

Janaina Fainer disse...

saudades de vc!!!!!!!!

Assim que sou disse...

Te vejo sem posts novos, mas de cara nova. Acho que gosto mais da outra. Na verdade, sempre achei o teu template o máximo. Mas mudar é sempre bom. É luz na entrada do túnel.
Se iluminar até o final, melhor!

beijos. Veronica

João Neto disse...

E você precisa continuar escrevendo e traduzindo sentimentos. Poesia em forma de prosa é sempre bem vinda e há de haver ódio consentido sempre onde houver amor proibido.

Ps.: Gostei da cara nova. Bjs!