sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Antídoto

Me queimo na frente da tela do computador e da televisão. É como um grande forno para ser humanos. E pros fumantes com bônus. Frita meus neurônios, grelha minha vista, assa os meus dedos. Hipnotização fantasmagórica. Um ente separado do conhecido me abduz. É um filme que cansa a vista e com legendas. O antídoto?Assistir filme brasileiro e me sentir em casa. Chega de saudade!

9 comentários:

Camilla Tebet disse...

Eu não entendi meu próprio texto! Alguém se atreve???

Camilla Tebet disse...

às vezes releio meu blog e vejo que a caixa de comentário é parte inregrante e essencial desse espaço e desse tempo. Meu blog é meu espaço e meu tempo.

Gabriela .-. disse...

Li e reli seu texto e percebi que não tenho palavras para comentá-lo.
"E pros fumantes com bônus."
gostei.
comentei.
continue assim.

edson marques disse...

Teu jogo de palavras não permite blefe: é direto, dançante, profundo.

Frita neurônios despreparados... rs!


Abraços, flores, estrelas.

Adriano Caroso disse...

Gosto muito da forma com escreve. Tenho tido gratas surpresas por aqui!

Alice disse...

Eu me atrevo. Eu me queimo também. Escrevo de trás pra frente e sei como isso acontece. Uma coisa maravilhosa e confusa. A gente se entrega, Camilla. Esse queimar aí me veio como a velha de história de falar demais e ser tudo em exagero. Somos uma entrega diária e a gente se queima. Viver nossa vida de filme brasileiro é assim.
Bjs.
Sua maluquice é um talento.
Adoro.

Daniel disse...

Alice disse tudo! Bjus e bom domingo.

http://so-pensando.blogspot.com

Ricardo Jung disse...

oh

que assim me remetes àquele momento...


- você quer relização normal ou de urgência? a de urgência leva até 4 horas, a normal pode levar até 48 horas

- ah, por mim pode ser a normal, né pai?

- não não!!! a de urgência, sua madrasta tem que assistir a novela e eu tenho que assistir o filme do Istaloni.

- ah tá... a de urgência então... o que são 30,00 reais a menos no meu bolso...

Ricardo Jung disse...

veneno caro as vezes, pior que cigarro